por  Cqcs

Na live dessa sexta, dia 27, no Instagram do CQCS, Gustavo Doria Filho, fundador do CQCS, conversou com Richard Furck, corretor de seguros, sobre o atual cenário da pandemia para os corretores de seguros.

Richard compartilhou com os participantes da live medidas que ajudam na administração da corretora. Ele disse que é preciso se preparar para o pior cenário. Baseado nisso, ele compartilhou com os participantes que decidiu formar um comitê na sua corretora projetando um cenário sem receita e nesse ambiente se questionou “o que dá para cortar?”

“Estamos em um momento que muita gente vai ter dificuldade, algumas pessoas terão mais dificuldade que outras”, afirmou.

Ele lembrou que: “Aluguel, condomínio, renegocia tudo, tem imposto”, descreveu. Ele deu exemplo que, muitas vezes, nesse cenário a primeira medida é cortar o marketing, mas ele orientou que é preciso analisar com cuidado.

“Divide em três aspectos: marketing é dinheiro institucional que você paga para aparecer, uma parte é para crescer e a outra é para você se comunicar com o seu cliente. Não dá para cortar. Você pode remanejar, por exemplo, tirar do institucional para usar mais verba na prospecção e comunicação com o cliente”, ensinou.

Furck revelou ainda que como o atual momento teria poucos sinistros, ele optou por direcionar sua equipe de sinistro para mexer nas apólices já que haveria uma queda nessa área com fechamento de oficinas. “Conseguimos emitir 470 apólices essa semana para gerar caixa. Fizemos uma força tarefa para isso”, disse.

Ele lembrou que no atual cenário o cliente deixa de comprar e o corretor tem a tendência de ficar com receio de vender parcelado. “Vender parcelado agora resolve um lado, mas também cria um problema porque vamos receber parcelado. Procuramos trabalhar com companhias que nos antecipem o parcelado”, revelou.

São aprendizados da crise. Ele disse que esses dias têm sido de aprendizado na gestão da corretora e revelou que as companhias de seguro estão ajudando bastante. “Recebi ligação do meu gestor da Porto Seguro, o André, avisando que eu tinha valores a receber. Diversas companhias entraram em contato. Nunca vi o mercado tão unido”, disse.

Furck disse que o corretor deve analisar os extratos de comissão que têm a receber das companhias. “Analise os extratos, se tiver muitos recebimentos parcelados, negocie, é preciso fazer caixa”, alertou.

Ele disse ainda que uma empresa pode viver sem dar lucro por anos, mas não pode ficar sem caixa. “Esse é o momento de cortar gastos que não precisa ter”, aconselhou.

Para ele, o atual momento tem sido de grande aprendizado. “Estou redesenhando o negócio, estou analisando a operação para descobrir onde somos ineficientes “vamos piorar um pouquinho, mas vamos voltar muito melhor”, assegurou.

 

Fonte: https://www.cqcs.com.br/